A vila da Sorocabana em Iperó

Vila da Sorocabana
Casas da Sorocabana na Vila do Depósito - década de 1940. Ao fundo o Depósito em funcionamento. (Dinho Vianna - Arquivo Wilson Alves)

“Em Iperó, as casas localizadas na esplanada da estação serviam diretamente aos empregados ligados ao setor de tráfego da ferrovia, como chefe de estação, telegrafistas, bilheteiros, conferentes, manobristas e pessoal da conservação da linha. Isso garantia a pontualidade dos serviços e o trabalho extra em casos de necessidade. Esse modelo proporcionava também a segurança do local, ao formar uma barreira física entre a cidade e os fundos da estação. A maioria das casas construídas na esplanada da estação é de alvenaria. A fim de racionalizar o espaço e economizar material empregado na construção, as casas são geminadas.

A Vila de Santo Antonio, como é denominada nos arquivos da EFS, possui características distintas da vila próxima à esplanada da estação. A vila construída em Iperó constitui-se de 66 casas geminadas de dois quartos, com área de 28,35 metros quadrados (cada) e quatro casas com 75 metros quadrados, com três quartos, que serviam aos encarregados e chefes do almoxarifado. A implantação da vila de forma ortogonal, com lotes irregulares ao fundo, aproveita o terreno resultado dos cortes e aterros realizados na implantação da linha. O sistema viário é simplificado, constituindo-se de três ruas de menor dimensão, caracterizando a hierarquização do sistema e sua interligação.

As casas não possuem ornamentação. As de dois quartos tem telhados de duas águas e cumeeiras paralelas à rua, como as casas coloniais. As casas de 3 quartos demonstram uma maior preocupação formal, com telhados de quatro águas e detalhes em argamassa na fachada, que distinguem o morador e mostram sua hierarquia dentro da ferrovia.” (MULLER, 2006)