Bairro da Esplanada, Estação de Santo Antonio e Iperó

Esplanada Santo Antonio Iperó
Prédio da escola "Gaspar" em sua versão original. Foto de 1957. (Dinho Vianna - Arquivo Wilson Alves)

Esplanada

No atual perímetro urbano, após a remodelação do traçado da ferrovia foi construído um prédio numa área de Rita Maria Motta de Almeida (viúva de Porphírio José de Almeida). Nesse local foi instalada a “Escola Mista de Jundiacanga” em 24 de maio de 1929, transferida de Campo Largo (atual Araçoiaba da Serra) juntamente com a professora Maria da Glória Pereira Leite (lembrada por antigos moradores como “Dona Glorinha”).

Ao ser instalada, essa escola passou a se chamar “Escola Mista do Bairro da Esplanada”, nome que durou por cerca de cinco anos. Em abril de 1934 a denominação mudou para “Primeira Escola Mista Rural da Estação de Santo Antonio”, coincidindo com a alteração do nome do povoado: Esplanada passa a se chamar Santo Antonio. Nesse mesmo ano foi criada a “Segunda Escola Mista Rural da Estação de Santo Antonio”, através da transferência da “Escola Mista Rural do Bairro da Secura” (Tatuí).

Um ano depois foi criada a terceira escola em Iperó, sendo a “Escola Masculina da Estação de Santo Antonio”. Alguns professores que lecionaram nessas primeiras escolas da área urbana da atual Iperó:

1929 – Maria da Glória Pereira Leite
1932 – Augusta de Macedo
1933 – Dulce Oliveira
1934 – Aracy Grohmann
1936 – Maria de Jesus Rocha
1937 – Francisca de Almeida
1938 – Maria de Lourdes Correa Rolim
1938 – Maria Benedicta Bastos
1938 e 1939 – João Batista Castanho
1942 – Aracy Grohmann
1942 a 1952 – Clarisse Santos Zaguetti
1944 – Maria Hortência Marcondes Romeiro

 

Santo Antonio

Samuel Domingues dos Santos doou um terreno para a construção do prédio do grupo escolar, o que foi oficializado através do decreto estadual de 14 de maio de 1941. O grupo escolar (escola grande) ainda não existia, mas entre 1941 e 1942 já havia três escolas mistas e uma masculina. As escolas de George Oetterer, Bacaetava e Ipanema seguiam funcionando, mas já não há referências a Jubanguá.

A “Quarta Escola Mista da Estação de  Santo Antonio” foi criada em 1944. E nesse ano houve o agrupamento das cinco escolas. Os alunos foram transferidos para o prédio do “pernoite” e entrou em funcionamento o “Grupo Escolar de Santo Antonio”, que em outubro de 1944 passou a se chamar “Grupo Escolar Dr. Gaspar Ricardo Júnior” (homenagem ao engenheiro e ex-diretor da Estrada de Ferro Sorocabana).

Em setembro de 1945 foi iniciada a construção do prédio do grupo escolar, inaugurado em março de 1953 com a presença do governador Lucas Nogueira Garcez. Aos 73 anos, hoje a “Escola Estadual Dr. Gaspar Ricardo Júnior” é a mais antiga em atividade na cidade.

 

Iperó

A partir de 1967 começaram as negociações para a instalação do ginásio na cidade. Nessa época funcionava uma extensão do Barão de Suruí (Tatuí) em Iperó, visando atender a demanda dos alunos iperoenses. O “Ginásio Estadual de Iperó” foi criado em 11 de outubro de 1968 pelo governador Abreu Sodré e foi encerrada a extensão do Barão de Suruí.

Em 3 de fevereiro de 1970 recebeu a denominação de “Ginásio Estadual Professora Henory de Campos Góes”, numa homenagem à educadora que lecionou por cerca de 15 anos na cidade e havia participado ativamente do processo de emancipação do município e do pleito para criação o ginásio, mas falecera dois anos antes.

Quando o ginásio foi incorporado à “Escola Estadual Dr. Gaspar Ricardo Júnior”, ainda na década de 1970, a denominação “Professora Henory de Campos Góes” foi transferida para a escola rural de Ipanema, onde permaneceu por quase 20 anos. Na zona rural também existiam estabelecimentos de ensino chamados “escolas de emergência” nos bairros Corumbá, Bananal (Cagerê) e Sapetuba, que foram fechados entre as décadas de 1980 e 1990.

Com o crescimento da população, uma nova escola foi inaugurada em março de 1991 e recebeu o nome de “Escola Estadual de Primeiro Grau Professora Henory de Campos Góes”, trazendo o nome da professora para estabelecimento de ensino na área urbana novamente.

Já existia também a “Escola Estadual de Primeiro Grau da Vila Santo Antonio”, que em novembro de 1992 passou a se chamar “Escola Estadual de Primeiro Grau Professora Pedrina de Campos Pedrozo Rosa”, numa homenagem à professora que lecionou em Iperó por cerca de duas décadas e havia falecido anos antes.

 

Estabelecimentos de ensino

Do ensino infantil ao médio, incluindo as redes pública e privada, a cidade conta com os seguintes estabelecimentos atualmente:

Centro de Educação Infantil Alexis Soares Nacif
Centro de Educação Infantil Almirante Schieck
Centro de Educação Infantil João Marques Penteado
Centro de Educação Infantil Professora Therezinha de Jesus Campos Cristino
Centro de Educação Infantil Victoria Guazzelli Bertolaccini
Colégio Eloo
Escola Estadual Dr. Gaspar Ricardo Júnior
Escola Estadual Estação George Oetterer
Escola Municipal Dona Cecy Monteiro Oetterer
Escola Municipal Dra. Neide Fogaça de Lima
Escola Municipal Dona Elisa Moreira dos Santos
Escola Municipal Francisco Adolfo de Varnhagen
Escola Municipal Dona Gláucia Aparecida Andrade Nogueira
Escola Municipal Dona Isaura Jamas Fogaça
Escola Municipal Marinheiro Mariz e Barros
Escola Municipal Professor Roque Ayres de Oliveira
Escola Municipal Professora Henory de Campos Góes
Escola Municipal Professora Pedrina de Campos Pedrozo Rosa
Escola Municipal Professora Zilma Thibes Mello

A seguir, imagens que resgatam parte da história da educação em Iperó no decorrer dos anos.