Livro de Visitas

A partir deste LIVRO DE VISITAS, conforme surgem novos relatos sobre Iperó eles são acrescentados aos “Fragmentos de história”. É um espaço idealizado originalmente pelo Augusto Daniel Pavon. Com pequenas crônicas, juntamos várias peças do grande quebra-cabeça que é a história de uma cidade como a nossa.

É o próprio Pavon quem explica: “Para resgatarmos a história não bastam fotos e opiniões de pessoas queridas ou simpáticas. Precisamos garimpar. E ainda é possível: pessoas que viveram, registraram, se empolgaram, têm senso crítico e possam nos dar uma sequência histórica aos fatos. A ideia é simples: com as nossas recordações e histórias, nos utilizando de narrativas, descrições e crônicas, resgatar dados para subsidiar a história informal de Iperó. Com isso, ofereceremos uma visão da dinâmica de vida da época.”

Portanto, fica o convite para que cada um deixe uma mensagem ou escreva as suas histórias vividas em Iperó. São registros muito importantes.

Obrigado e um grande abraço a todos,

Hugo Augusto Rodrigues

Escreva a sua mensagem

 
 
 
 
 
 
 
Obrigado por acessar o site.
Elisabeth Rodrigues
Transeuntes do tempo .Ler sobre Iperó é apaixonante .O site do Hugo está ficando com muito conteúdo .A cada vez que o relemos descobrimos coisas novas ,fatos ,fotos e pessoas . E viajamos na História . Imaginamos a estação sem a estação . O campo de futebol , só mato .O local da Matriz de Santo Antonio ,como será que era ?Quais pessoas transitavam por aqui antes da instalação da ferrovia ? De que se alimentavam ? O que faziam ?O que havia escrito numa antiga lista de compras ?Quais Bairros já se delineavam ?
Alguma mulher arrimo de família sustentando tudo ?Havia alguma loja ?Armazém ?Padaria ?O que vestia esse antigo povo aqui e na região instalado . De que forma poderíamos saber alguma coisa ?É claro que é através da escrita e do registro Histórico ,de anotações familiares ou até pela oralidade em que muita coisa era transmitida através dos mais velhos da família ,que trazia conhecimento que não poderia se perder . Tive acesso a algumas informações e pude manusear um grande livro ,pesado pra chuchu ,que me foi confiado e dele anotei nomes ,bairros ,lista de compras ,grafia das palavras e muitas coisas que passarei para o site ,com a permissão da dona do patrimônio Histórico . Esse Livro Caixa , foi emprestado por um membro da Família Guazzelli ou seja a Ana Guazzelli ,que tem a guarda dessa relíquia da família . Pena não ter foto do Armazém da família Guazzelli em Bacaetava ,onde tudo começou ,pois ali se vendia de tudo ,desde querosene, a litros de arroz . Tudo é muito interessante e postarei algumas coisas.