Nossa Senhora da Conceição e Santa Cruz

Capela em ruínas. (Ilustração a partir de imagem da internet)

Além da capela construída por Braz Esteves Leme, houve uma outra capela em honra de Nossa Senhora da Conceição na região de Bacaetava, fundada por Francisco Pais de Almeida e a esposa Maria Pimentel. Ficou conhecida como “Capela da Conceição do rio abaixo”. Maria Pimentel já era viúva “quando em 7 de janeiro de 1721 o bispo fluminense Dom Frei Francisco de São Jerônimo provisionou a capela. Tinha altar-mor, arco-cruzeiro, altares laterais de São  Sebastião e Nossa Senhora do Rosário. Nem forrada, nem ladrilhada, o altar-mor teve retábulo dourado. Em 1739 a viúva entregou à paróquia a capela que em 1769 estava em péssimo estado. Serviu de cemitério, dentro e no adro. A imagem de São Sebastião era por causa da parte da família daquela vila. Estava  à esquerda  do rio Sorocaba, nas fraldas do Araçoiaba. Ruiu.” (ALMEIDA, 1969)

Já nas ruínas da primeira capela de Braz Esteves Leme, foi edificada outra antes de 1750, conforme pesquisa do monsenhor Vicente Hypnarowski. Segundo ele, em meados do século XIX, eram vistas da estrada para Tatuí, que ali atravessava o rio Sarapuí, as ruínas dessa capela que se chamou de Santa Cruz. Quando Campo Largo era apenas um pouso de tropeiros, em 1820, a cruz foi levada para uma nova capela. Era bastante notável pelas pinturas de emblemas nos braços.